Insuficiência Cardíaca

Tratamento

O diagnóstico da insuficiência cardíaca é baseado na avaliação clínica do paciente, junto com os resultados de exames como ecocardiograma, raio-X do tórax e ressonância magnética do coração.

O tratamento depende das condições clínicas de cada paciente e da gravidade da doença. Em geral, a pessoa pode ser submetida à cirurgia de ponte de safena, receber um marca-passo ou ser orientada a usar continuamente medicamentos.

Existem casos em que a doença atinge um estágio chamado "terminal".

Neste caso, apenas os transplante de coração é indicado.

Cirurgia de ponte de safena: o procedimento é delicado e dura em média cinco horas. O paciente passa por anestesia geral e conta com o auxílio de um tubo na traqueia, para facilitar a respiração durante a cirurgia. O indivíduo recebe um corte no tórax, que permite acesso às artérias do coração para que o médico possa fazer as pontes.

Implante de marcapasso: método também usado para casos de arritmia cardíaca, o implante de marcapasso é feito por dois tipos de cirurgias.

A mais comum é a cirurgia endocárdia, que introduz os eletrodos do marcapasso por meio das veias que chegam ao coração. A outra, mais comum em crianças, chama-se cirurgia epicárdica. Neste caso, os eletrodos são implantados no músculo cardíaco.

O objetivo é que o marcapasso regule os batimentos do coração por meio do estímulo elétrico do aparelho.

Doenças associadas

Outros problemas de saúde podem estar relacionados à insuficiência cardíaca:

Arritmia Cardíaca: é uma alteração no batimento do coração. Se ele bater muito rápido, é chamado de taquicardia. Se for muito lento, o nome dado ao tipo de batimento é bradicardia. A arritmia pode fazer com que o coração não consiga bombear sangue suficiente para cumprir as necessidades do corpo. Uma arritmia grave pode causar um infarto e levar o paciente ao óbito.

Edema pulmonar: em decorrência da insuficiência cardíaca, o paciente pode desenvolver um edema pulmonar. Ele acontece porque a pressão nas veias pulmonares aumenta, e, conforme a pressão nos vasos sanguíneos cresce, o líquido vai para os espaços do pulmão e interrompe o fluxo normal de oxigênio.