Com auditório lotado, Instituto Lado a Lado leva suas bandeiras para o 4º Congresso TJCC
Profissionais, pacientes e familiares acompanharam os debates sobre os avanços na oncologia e novas maneiras de enxergar e praticar a prevenção
Da Redação - Publicado: 27/09/2017 - Atualizado: 17/12/2017

 “O paciente está no centro das nossas ações”, foi o que disse a presidente do Instituto Lado a Lado Pela Vida, Marlene Oliveira, na abertura do painel Medicina Personalizada – A Experiência de Ser Diferente, parte do 4º Congresso Brasileiro Todos Juntos Contra o Câncer. Essa afirmação é exatamente uma das premissas do tema em questão.

Com a capacidade do espaço lotada, o público pôde saber um pouco mais sobre essa verdadeira revolução na oncologia, que está tornando o tratamento de câncer menos impactante e cada vez mais eficaz. Para isso, é necessário assumir cada caso como uma nova possibilidade e entender as capacidades disponíveis para cada paciente.

“Queremos tratar o câncer como se trata uma doença crônica, hipertensão, por exemplo. Ou seja, controlando sua evolução e estabilizá-lo. Essa é a tendência. A quimioterapia, que está se tornando um método obsoleto, tem seus efeitos colaterais e nem sempre é necessário aplica-la”, disse o Doutor Pedro de Marchi, Médico Oncologista do Hospital de Barretos (SP) e palestrante convidado.

Marchi também explicou que, embora os casos de câncer vêm aumentando a cada ano que passa, a mortalidade diminui de maneira substancial, e que com esse método já é possível constatar aumento de oito meses para 3,5 anos na sobrevida dos pacientes. “É um bom tratamento, não?”, perguntou para o público.

“É indispensável que a terapia alvo molecular seja disponibilizada para a grande massa”, disse por fim.

O painel Medicina Personalizada – A Diferença de Ser Diferente, foi uma realização do Instituto Lado a Lado Pela Vida, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

Três mulheres, três casos de cura

Como parte do painel Medicina Personalizada – A Experiência de Ser Diferente, apresentado do no primeiro dia do 4º Congresso Brasileiro Todos Juntos Contra o Câncer (26/9), o Instituto Lado a Lado Pela Vida, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, convidou três pacientes mulheres para contar um pouco sobre a experiência de vencer o câncer.

Na ocasião, o público pode contar com a presença do Dr. Drauzio Varella, Oncologista e Escritor, que conduziu o bate-papo e comentou aspectos de cada caso.

Com apenas 21 anos, Amanda Cabral detectou câncer de ovário e superou a doença com quimioterapia e cirurgias. “Quando recebi o diagnóstico eu fiquei de mal do mundo. Foi muito difícil, pois eu tinha muitos planos e minha vida estava muito bem planejada. A quimioterapia foi o momento mais difícil, mas eu consegui e estou me sentindo bem. Mas saber que já existe outro tipo de tratamento me deixa muito feliz”, disse.

Luiza Muritz tinha 31 anos quando descobriu o câncer de mama por meio de ultrassom de rotina. Também obteve sucesso ao assumir um tratamento com quimioterapia, porém ressaltou a importância da informação no período da terapia.

“Os médicos são a cura, antes dos remédios. Isso porque no meu caso, com explicações do profissional que cuidou de mim, fui me acalmando, entendendo melhor aquilo que eu tinha”, disse. “Como sempre temos obstáculos na trajetória da vida, esse também foi vencido. No começo é normal a gente encarar o câncer como uma morte, mas como aos poucos você vai observando, percebemos que nem sempre é assim. A ideia é me manter sempre positiva e com fé”.

Já Penha Oliveira Borges, 61 anos, teve uma experiência um pouco diferente. Venceu um câncer de pulmão por meio de terapia alvo-molecular, ou seja, a medicina personalizada. Sem necessidade de nenhuma cirurgia ou sessão de quimioterapia, Penha tratou da doença apenas com medicação via oral, apresentando poucas reações adversas.

“Pensei que seria somente quimioterapia e radioterapia, como sempre ouvi dizer. Saio daqui muito mais forte do que cheguei, pois percebo que existem muitas pessoas empenhadas para fazer desse tipo de tratamento algo mais acessível”, concluiu.

 

 “No papel do provedor, do herói, o homem acredita que não pode adoecer”

O medo de adoecer, a vergonha e a falta tempo foram algumas questões culturais debatidas por especialistas no painel “Por uma linha de cuidados pela saúde do homem”, realizado pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida no 4º Congresso Todos Juntos Contra o Câncer.

“Nossa grande discussão é o desafio que o homem encontra para ter um acesso digno à Saúde”, afirmou Francisco Norberto da Silva, Coordenador Nacional de Política de Saúde do Homem. O representante do Ministério da Saúde reforçou a dificuldade de acesso não só à estrutura de assistência, mas à informação de qualidade.

O oncologista Dr. Igor Morbeck, que também participou do painel, lembrou que os tumores mais incidentes no homem – cabeça e pescoço, pulmão e próstata – estão ligados a hábitos de vida, como tabagismo, sedentarismo e alimentação.

Para ele, é importante identificar pacientes de risco e encontrar uma maneira eficaz de falar com essas pessoas sobre a importância da prevenção do rastreamento. Esse tipo de alerta, segundo o oncologista Dr. André Sasse, não deve se limitar a um consultório. O especialista relatou uma experiência positiva que levou informação aos homens em lugares inusitados, como bares e barbearias.

Os especialistas presentes reforçaram a importância de campanhas de conscientização como o Novembro Azul, realizada pelo Instituto Lado a Lado desde 2012.

A saúde na ponta dos pés

O atleta Vinícius Zimbrão compartilhou sua luta contra um câncer de testículo há 3 anos para inspirar pacientes e familiares presentes. Durante o tratamento, encontrou uma forma diferente de encarar a doença: motivar as pessoas para não passarem pelo mesmo problema. De que forma? Colocando o corpo em movimento.

Movimento que mudou a vida de outro ilustre convidado do 2º Painel do Instituto Lado a Lado no TJCC, o dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus. A uma plateia atenta, contou como a dança transformou a sua história. Ele, que sempre pensou em ser médico, encontrou outra forma de promover saúde e, de quebra, alegria às pessoas.

Depois de demonstrar seu talento, fez o público colocar em prática ali mesmo a sua mensagem: dança é saúde!

 

Informação e descontração no TJCC

O Instituto Lado a Lado pela Vida também esteve presente no 4º Congresso Brasileiro Todos Juntos Contra o Câncer apresentando suas outras bandeiras. O público que esteve no Congresso TJCC e visitou nosso estande recebeu material informativo sobre várias esferas da saúde. Para descontrair, homens-bigode e atores com cabeça de coração (símbolos das campanhas Novembro Azul e Siga Seu Coração, respectivamente) marcaram presença ao longo do evento, tirando fotos com o público em geral.

Saúde